Streaming faz indústria lucrar após 20 anos. Artistas ficam de fora da festa

Segundo IFPI, serviço cresceu 45% e superou, pela primeira vez, arrecadação com formatos físicos

Por
TAGs: IFPI|

A propagação dos smartphones e à maior oferta de serviços de assinatura de alta qualidade foram os maiores motivos do crescimento

De acordo com dados divulgados nesta terça-feira pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI), em 2015, a arrecadação com serviços de streaming cresceu 45%, levando os lucros obtidos por meio de formatos digitais a superarem, pela primeira vez na história, as vendas físicas.

A explosão no consumo não está resultando numa remuneração justa para artistas e gravadoras

O resultado foi responsável por reverter 20 anos de queda na indústria da música, afirmou o executivo-chefe da IFPI, Frances Moore. "Após duas décadas de declínio quase ininterrupto, 2015 registrou marcos-chave: crescimento mensurável das receitas a nível mundial, explosão do consumo de música por toda parte, e receitas digitais superando os rendimentos de formatos físicos pela primeira vez", disse.

Os dados da IFPI apontam que as receitas digitais tiveram alta de 10,2%, alcançando 6,7 bilhões de dólares - resultado que compensou a queda na venda de formatos físicos. Ao todo, os lucros globais obtidos pela indústria da música aumentaram 3,2% no último ano, chegando a 15 bilhões de dólares. O executivo é otimista e defende que os números "refletem uma indústria que se adaptou à era digital e ficou mais forte e inteligente."

Maaassss, ao contrário do que você possa imaginar, o resultado ($$$) recorde não está chegando nas mãos dos artistas. Segundo o executivo da IFPI, o streaming está próximo a superar o faturamento com downloads e estima-se que mais de 60 milhões de pessoas já pagam por um serviço de música, porém "a explosão no consumo não está resultando numa remuneração justa para artistas e gravadoras".

Moore defendeu que seja uma legislação para evitar que serviços de streaming estejam imunes à violação de direitos autorias, como ocorre atualmente, já que, em muitas plataformas, os usuários postam seus próprios conteúdos.

Ficaremos atentos aos próximos passos dessa história, mas, por enquanto, o que vemos é que, apesar do lucro recorde com formatos digitais, artistas não viram a cor do dinheiro e ficaram de fora da festa. Tem algo de errado nisso, não acham?

 

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

De cachorra à poderosa: o vestuário do funk na periferia do Rio

“Sou mais ter uma ideia e experimentar”, conta produtor francês iZem

Criador da música por biocomputador revela obra exclusiva ao Moozyca

"A Carne das Canções" botou oxigênio na cena paulistana contemporânea

Heineken Up on the Roof contará pela primeira vez com shows musicais

DJ e produtor Felipe Soares lança disco autoral

O cientista da vanguarda baiana

Moozyca foi dançar o forró da capital nacional do pé de serra


Inscreva-se no Moozyca