"A ditadura não atrapalhava o reggae, pelo menos para mim", conta Jai Mahal

História do músico se uniu à trajetória do reggae no Brasil; artista faz show hoje do disco Invisivelman

Por

Jai Mahal e Os Pacíficos da Ilha

Na década de 70, eram poucas as pessoas que se aventuravam pelo mundo do reggae no Brasil. Jai Mahal tinha 16 anos quando conheceu o ritmo jamaicano, em 1977. Tornou-se fã e grande pesquisador do estilo musical. A partir de então, sua história se uniu com a trajetória do reggae no Brasil.

A força daquele sonho tomou outros rumos, não diria que acabou, mas caiu numa real mais pé no chão (...) Ainda aparece coisa boa pra ouvir, mas o difícil é trazer aquele sonho de volta.

“Independente de ser época da ditadura, quando o reggae deu as caras no Brasil, de fato, foi em 1976 e 1977. Ele trazia uma proposta libertária universal, algo como uma nova esperança, um novo sonho tipo Beatles mas com outros moldes”, afirma Jai Mahal.

Para o músico, a época áurea do reggae foi nos anos 70 e 80, época em que as pessoas acreditavam na música e na filosofia jamaicana. “A ditadura não atrapalhava nisso, pelo menos para mim”. Mas os anos passaram e o cenário agora mudou: “A força daquele sonho tomou outros rumos, não diria que acabou, mas caiu numa real mais pé no chão”.

Segundo Mahal, a música jamaicana se transformou ao longo da história por conta do nascimento de novos estilos.  “Veio do ska, virou Rocksteady, depois veio a época do reggae roots. Nos anos 80, começou a eletrônica e veio o ragga, que chegou a entrar em conflito ideológico com o pessoal do roots. Mas hoje todas essas vertentes se conversam e se misturam. Ainda aparece coisa boa pra ouvir, mas o difícil é trazer aquele sonho de volta. A gente tenta... e vamos fazendo som”, conta.

Recentemente, Jai Mahal anunciou o lançamento do DVD “Invisivelman” com a banda Os Pacíficos da Ilha, além de turnê com mesmo nome.

Vida de reggae

Sua primeira investida na música foi em 1978, ao lado de Nando Reis, Vange Leonel, Cao Hambúrguer e Paulo Monteiro. Os então colegas de colégio tinham a banda Camarões, que já fazia suas incursões pelos ritmos Jamaicanos. Dois anos mais tarde, Jai Mahal e Nando Reis passaram a ensaiar covers de Bob Marley. Junto a Antonio Malta, formaram o trio Walking Lions, onde revezavam baixo, bateria e guitarra.

Dali surgiu a primeira geração de bandas do reggae paulistano nos anos 80: Sinsemila, Pacíficos da Ilha e Nomad, que povoavam o mítico teatro Mambembe, ao lado do pessoal que vinha despontando com o hip hop, como Thaíde & DJ Hum. Nos anos 90, vieram as festas no Aeroanta e no Dama Xoc, com o reggae invadindo São Paulo. Um dos responsáveis por isso foi o programa Reggae Raiz, comandado por Jai Mahal e China Kane, na rádio Brasil 2000 – 107,3 FM. O programa passa então a ser transmitido na rádio UOL, onde está até hoje. 

Saca só Jai Mahal e Os Pacíficos da Ilha no Jô Soares em 2009.

Original Café, o primeiro disco de Jai Mahal e Os Pacíficos da Ilha foi lançado em 1991, em vinil mixado e prensado na Jamaica, na Tuff Gong de Bob Marley. Foram exatas 80 cópias que Mahal vendeu naquela confusão que era a Jai Mahal Records. A lojinha de discos e bar que virou o centro do movimento reggae paulistano, atraindo mais de três mil pessoas por noite nos finais de semana, revolucionou o movimento de bares na Vila Madalena.

Depois de uma ressaca, em 1998, a banda produziu a faixa “Mania de Perseguição” para a versão em CD do Original Café. O relançamento, em 2000, deu o que falar: Jai Mahal faz uma performance em frente ao prédio da antiga MTV, onde ficou acampado com móveis e geladeira durante três meses. “Malucão larga a vida boa para morar na rua” foi o título da matéria no Notícias Populares.

Com a bagagem de quatro idas à Jamaica, sendo que duas delas contaram com a cobertura do mítico festival Reggae Sunsplash, Jai Mahal retomou os Pacíficos da Ilha formando um quarteto com o tecladista Albert Lemos e os lendários irmãos Bagão e Baguinho, donos da agitada “Adega do Reggae” do Parque Arariba. Da trajetória com os “irmãos Bago” ficou registrado o álbum Ao vivo nos estúdios da Brasil 2000 gravado na maratona do Rock de 2004.

27 anos de rádio

Um dos programas de rádio mais populares e o mais mais importante de reggae, o Reggae Raiz, completa 27 anos com uma série de festas. O Reggae Raiz iniciou como um dos precursores da programação de reggae nas rádios brasileiras, revelou centenas de grupos através dos ouvidos regueiros e atentos dos locutores Jai Mahal e China Kane na rádio Brasil 2000 - hoje tem edição semanal na web pela Rádio UOL.

No dia 24 de setembro, às 22 horas, o Tom Jazz recebe no palco a banda Jai Mahal e os Pacíficos da Ilha com discotecagem de China Kane e o show de Jai Mahal, lançando o DVD “Invisivelman”. A dupla entrevistou grandes figuras do reggae nacional e internacional. Além de inovar na maneira da apresentação irreverente e informal, o programa mostrou o poder da popularidade deste ritmo.

 

Show

Tom Reggae no Tom Jazz

Festa do programa de rádio Reggae Raiz com show de Jai Mahal e os Pacíficos da Ilha

Quinta, dia 24 e setembro de 2015, às 22 horas

DJ set de China Kane

Tom Jazz – Avenida Angélica, 2331, Higienópolis, São Paulo - SP, 01227-200

Telefone: (11) 3255-0084

Ingressos: R$ 30,00

 

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Criolo e Ivete Sangalo fecham turnê Tim Maia com críticas

‘É mais barato produzir, então se produz muito’

Dica do Réu: Jimmy Cliff In Brazil

Alemães do Raggabund trazem seu som multicultural para a América do Sul

O cientista da vanguarda baiana

O baile jamaicano-tupiniquim da OBMJ

No Dia da Mulher Negra e Latina, celebre com música!

DJ Tudo apresenta Manifesto da Festa no Espaço Urucum


Inscreva-se no Moozyca