"Trabalhar com o Bob Marley era muito difícil", diz Junior Marvin ao Moozyca

Junior Marvin, ex-guitarrista e produtor do Bob Marley, bolou uma ideia com a gente

Quando chegamos ao hotel onde o jamaicano Junior Marvin estava hospedado, na Zona Sul de São Paulo, ainda não estávamos convencidos de que conseguiríamos gravar uma entrevista com o cara que, simplesmente, produziu o “Exodus” - álbum mais reverenciado do rei do reggae.

Falamos com o empresário do músico por telefone e ele confirmou que o Marvin nos encontraria no hall do Hotel em poucos minutos. A gente botou uma fé e aguardou, entusiasmadamente, no sofá do hotel de quatro estrelas. Bom, menos de cinco minutos depois, eis que ele surge no hall e, trajando preto, com óculos escuros, um sorriso largo de orelha a orelha e um aroma, digamos, inebriante, nos cumprimentou: "Hi, mister Deyvis and mister Thiago, how are you?". Nessa hora, a ficha caiu. Ali, na nossa frente, estava o mito do reggae.

Para quebrar o gelo, perguntamos como estava sendo a passagem dele pelo Brasil, ao que ele respondeu arriscando um português ainda mais tosco do que o nosso inglês: "Man, for days here, e só ensaio. Every day, ensaio".

Gelo quebrado e iniciamos o papo ráp"Nós estávamos sempre tocando, ensaiando, no estúdio, fazendo shows, viajando juntos o tempo todo..."ido com o músico. Falamos um pouco sobre sua trajetória com o Bob Marley, seu trabalho no Brasil com o cantor Junior Dread, sobre a cena musical jamaicana na Jamaica e no mundo.

"Era um trabalho muito duro, mas também significativo, sabe? Falar sobre one love, rastafari"...

Para quem não o conhece, Marvin foi guitarrista e produtor de Bob Marley de 1977 a 1981, ano em que o rei do reggae morreu de câncer nos Estados Unidos. Marvin foi o grande responsável pela produção do mais que clássico “Exodus” (1977), eleito pela Revista Time como o disco mais importante do século vinte.

É isso, sem mais delongas, vamos à entrevista:

Moozyca: Como foi ser produtor e guitarrista do Bob Marley?

Junior Marvin: Trabalhar com o Bob Marley era muito difícil, desafiador. Mas também muito divertido. Nós estávamos sempre tocando, ensaiando, no estúdio, fazendo shows, viajando juntos o tempo todo... Como uma família, juntos, como um time de futebol, sabe? Sempre juntos, sempre fazendo jams, escrevendo músicas tarde da noite, de manhãzinha... Era um trabalho muito duro, mas também significativo, sabe? Falar sobre one love, rastafari, sobre estarmos juntos, vibrações positivas...

Moozyca: Você produziu o Exodus em 1977. O que mudou de lá pra cá?

Junior Marvin: Acho que a tecnologia mudou tudo, no mundo inteiro. Muitos músicos agora podem ter seu próprio estúdio. Antigamente era impossível. Hoje em dia, com alguns dólares você pode fazer um bom estúdio caseiro, com uma boa tecnologia...

Isso ajuda muito para que músicas novas sejam conhecidas, sabe? Você não precisa esperar que grandes empresas te deem dinheiro, você pode começar por sua conta... Acho que isso é muito bom para os músicos.

Moozyca: Como é fazer reggae nos dias de hoje?

Junior Marvin: Penso que, agora, com as redes sociais e muita gente na internet, é mais fácil aprender sobre e com pessoas de todo o mundo. Podemos aprender uns com os outros muito rápido pela internet, o que acho que é bom para todos. Com música, arte, poesia, pintura, dança... Se quiser ir pra escola, estudar alguma coisa, você pode usar a internet... Então, é mais informação.

Moozyca: Qual a diferença entre o reggae brasileiro e o jamaicano?

Junior Marvin: Acho que é a mesma coisa. O reggae jamaicano começou há muitos anos e agora temos novas gerações dos Estados Unidos, Brasil, Argentina, Japão, Europa, de todas as partes do mundo... Caribe, África... Todos adaptam o reggae... Na África, teve o Lucky Dube, no passado... Teve o Alpha Blondy. Na França, tem muito reggae bom... Nos Estados Unidos você tem bandas como Soja...

Moozyca: E o que você curte de reggae brasileiro?"O reggae rola como um ciclo contínuo"
Junior Marvin: Eu gosto do Junior Dread... Gosto da voz e das músicas dele.


Moozyca: Por que você escolheu trabalhar com o brasileiro Junior Dread?
Estava nos Estados Unidos, ano passado, quando nos conhecemos pelo Facebook. Ele disse que amaria trabalhar comigo, então pedi que ele me enviasse algumas músicas pela internet... Ele me enviou algumas canções e fiquei muito impressionado... Ele é muito bom cantor, com boas letras, sabe? Uma boa mensagem... então decidi colaborar na produção do primeiro álbum dele. Estou muito feliz em trabalhar com ele.

Moozyca: O que tá rolando na cena musical jamaicana?
Na Jamaica, agora, tá rolando uma mistura de Roots Reggae com Hip Hop, mas que ainda é Roots Reggae. É a Jamaica renascendo...

Moozyca: E o dance hall?
O Dancehall ainda está lá, mas acho que ele está caindo. Enquanto o reggae rola como um ciclo contínuo.

Moozyca: Marvin, manda um salve pra galera do Moozyca :)
One Love, vibrações positivas... Mais música!

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

“Nunca parei, eu saí de cena”, conta Di Melo

10 capas de disco do ilustrador de Fela Kuti para devorar com os olhos

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

"Artista tem que dar murro em ponta de faca até aprender"

Quer ouvir Cúmbia? Não vá para Colômbia!

Como a música fala sobre a epidemia de ebola?

O baile jamaicano-tupiniquim da OBMJ

DJ Tudo apresenta Manifesto da Festa no Espaço Urucum


Inscreva-se no Moozyca