Jam Lab: uma nova forma de pensar música jamaicana no Brasil

Projeto produz riddins exclusivos com grandes nomes da música independente

Riddim é a forma como é chamada a base musical na música jamaicana

Idealizado e executado pelo Tik-Tak Coletivo & Ideias, o Jam Lab vem para traçar alternativas dentro da cena musical independente no Brasil. Trata-se de um laboratório de criação, produção, promoção, circulação e distribuição dentro do universo musical jamaicano.

Mensalmente, um “capitão” e um time de músicos são convidados a gravar uma faixa inédita no Estúdio Traquitana, com mixagem pelo engenheiro Victor Rice no Studio Copan. A masterização da faixa é feita pelo produtor Arthur Joly na Reco-Master, e depois desse caminho já nasce uma prova em vinil, criada de forma a futuramente fazer circular esse som nas pistas e sound systems.

Todo o processo de produção, da gravação ao corte do vinilplate, é registrado em um vídeo em formato de programa, e é divulgado para o público logo após o lançamento oficial da faixa, mês a mês.

O Tik-Tak é um núcleo ou coletivo de criação e produção cultural formado em novembro de 2014, sediado na Rua Treze de Maio, 70, no Bixiga. Tem como uma de suas principais propostas o debate e a busca de alternativas de produção, promoção, circulação e distribuição cultural.

Reunindo gente em torno do som

Riddim é a forma como é chamada a base musical na música jamaicana, e que pode receber inúmeras versões, cantadas ou não. A palavra vem do termo original “rythm”. E são eles, os riddins, que dão o tom do projeto, que por sua vez gira em torno da construção destas faixas.

A produção de riddins brasileiros nos moldes das gravações tradicionais da Jamaica é algo diferente do que o público está habituado e ver e ouvir, e a ideia é montar um banco de faixas que possam ser trabalhadas de diversas formas, com diversas releituras e versões. A primeira faixa produzida pelo Jam Lab foi “Doce Declínio”’, do próprio Victor Rice (com músicos do Rockers Control e do Bixiga 70 na “cozinha” do som).

Outras faixas produzidas foram: “Verdinho Natural” (por Edu SattaJah, dos Leões de Israel), “Strauß” (por Rockers Control), “Água Viva” (por Arthur Joly) e “Adélia” (por Gerson da Conceição). Estão programados os lançamentos de mais sete faixas exclusivas até o final de 2016.

A próxima etapa do projeto é a de promoção e circulação, com o lançamento dos riddins junto a diversas estratégias de divulgação em variadas frentes. Além do videoclipe da música em si, o coletivo produz a cada faixa um programa curto que documenta o processo da produção e reúne alguns depoimentos dos envolvidos, além de teasers para divulgação e promoção das faixas e do projeto como um todo.

O lançamento e a distribuição digital dos sons acontece em diversas plataformas, porém a ideia fundamental é circular as músicas inéditas, em formato de vinil compacto, nas festas especializadas em reggae music e nos eventos de sound system. Para os apaixonados por reggae, os sound systems funcionam como “emissoras de rádio”, figurando como grandes veículos de informação dentro dessa cena, mas que ainda não são usados em sua total capacidade no que diz respeito à circulação de produção autoral. A meta é envolver o Jam Lab, os sounds e o pessoal que está atuando na cena, estimulando assim a produção de material novo, autoral, e a circulação frequente dessa produção.

Como funciona o Jam Lab?

O núcleo de curadores do Tik-Tak escolhe um produtor para capitanear a sessão musical da vez. Cabe ao produtor escolhido selecionar previamente seu time de músicos para a sessão de gravação, que dura cerca de seis horas.

Durante o processo, cumprido em uma rápida dinâmica durante apenas dois dias, há a gravação no estúdio Traquitana, mixagem no estúdio Copan, masterização e corte na Reco-Master. A equipe de profissionais da Coleta filmes, parceira do projeto, filma e entrevista os participantes. Ao final do trabalho o material audiovisual se desdobrará em diversos produtos e formatos.

A faixa é lançada no canal do Jam Lab no Youtube, e ela se desdobra em quatro episódios: na primeira semana do mês, há o lançamento do teaser, apenas para mostrar ao público o que vem por aí; na segunda semana, vai ao ar o videoclipe com a versão original e completa; na terceira semana, o programa é apresentado, e mostra o processo de gravação, mixagem e masterização, com algumas cenas dos bastidores; e na quarta semana vai ao ar um videoclipe com a versão dub da música.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

O cientista da vanguarda baiana

‘É mais barato produzir, então se produz muito’

“Tá cheio de cara que se diz punk, mas é um tremendo machista”

35 anos sem Vinicius de Moraes

"Não fosse a cultura dos pobres e iletrados, seríamos o quintal de Nova York"

Big Band EMESP encerra programação de outubro do projeto Música no MCB

Equipe explica como criou o Ludwig‏, aplicativo de música para surdos

Os Tincoãs: música brasileira de volta à África


Inscreva-se no Moozyca