Equipe explica como criou o Ludwig‏, aplicativo de música para surdos

Plataforma transforma ondas sonoras em vibrações, percebidas de forma tátil

Por

Aplicativo funciona por meio de tablet conectado a uma pulseira, que vibra de acordo com as notas musicaisNascido na cidade de Bonn, na Alemanha, Ludwig van Beethoven ficou conhecido como um dos maiores nomes da música, com uma enorme obra que abrange sinfonias, concertos para piano, sonatas, peças para quartetos de cordas, ópera e missas... Sua genialidade é ainda mais impressionante ao se considerar que grande parte de sua obra foi composta na fase em que estava praticamente surdo.

Quase dois séculos após sua morte, o primeiro nome do artista romântico foi ressuscitado em versão hight tech com o propósito de levar música a deficientes auditivos. Trata-se do Projeto Ludwig, plataforma que transforma ondas sonoras em vibrações, percebidas de forma tátil. A ideia foi concretizada por desenvolvedores de Campinas e foi um dos destaques do evento da Apple, a WWDC (conferência de desenvolvedores da Apple), realizada em São Francisco (EUA).

Tivemos casos, por exemplo, que essas vibrações afloraram emoções como entusiasmo, alegria, amor... Amor, como o de um surdo que lembrou da sua mãe por sentir a vibração de uma música

A equipe do Projeto Ludwig deu entrevista ao Moozyca e explicou como desejam tornar a experiência musical possível para todos, independentemente de suas dificuldades e diferenças.

Como surgiu a ideia de fazer o aplicativo? 

Em um curso de desenvolvimento de aplicativos, um grupo de desenvolvedores se reuniu para criar um aplicativo para o projeto de conclusão. Um dos integrantes do grupo, que é músico, tinha a vontade de fazer um aplicativo que fosse relacionado à música, mas que também pudesse ajudar a transformar a vida das pessoas. Por meio de vários brainstormings, discussões e pesquisas, surgiu a ideia de levar a música para deficientes auditivos. Era algo inimaginável, mas isso acendeu ainda mais a chama dos integrantes na busca de soluções para vencer essa barreira. Foi então que todos se dedicaram em pesquisas e testes de campo para atingir esse objetivo e permitir uma experiência tão real quanto ouvir.

Como funciona o aplicativo?

O aplicativo consiste basicamente na transformação de ondas sonoras em vibrações. Deficientes auditivos têm uma percepção tátil extraordinária e nós exploramos esta habilidade para introduzir a música de um jeito que todos nós sentimos, mas não prestamos atenção. Então, o aplicativo transforma as ondas sonoras para um dispositivo vestível, por enquanto uma pulseira, que vibra de acordo com cada nota musical.

Equipe do Projeto LudwigComo um surdo sente a música?

A música é algo universal e queremos proporcionar para o máximo de pessoas possíveis. Para isso, será necessário nosso esforço em obter autorização de músicos, gravadoras e disponibilizar nesse novo formato

A experiência de sentir uma música é algo único para cada um de nós. O som nos remete a recordações, sentimentos e experiências. Para muitos dos deficientes auditivos, especialmente aqueles completamente surdos, a vibração é o único contato possível para atingir o que a música proporciona. Alguns surdos que têm um maior contato com este meio utilizam sua habilidade tátil extraordinária para obter experiências tão ricas quanto às de um ouvinte. O solo (principalmente de madeira), por exemplo, serve de referência para sentir sons através da propagação das vibrações. Ou até mesmo manter contato com instrumentos, tocando-os com as mãos para receber essas vibrações.

Quais foram os relatos de pessoas que testaram?

Foram relatadas experiências incríveis de pessoas com deficiência auditiva, que nos incentivaram muito a levar esse projeto para cada vez mais pessoas. Ouvintes geralmente sentiram uma experiência nova, difícil de sintetizar logo de primeira. Mas quando o usuário era surdo, diversas reações surpreendentemente boas eram notadas. Tivemos casos, por exemplo, que essas vibrações afloraram emoções como entusiasmo, alegria, amor... Amor, como o de um surdo que lembrou da sua mãe por sentir a vibração de uma música. Praticamente todos notaram uma relação muito forte com a vibração que sentem pelo solo em algumas situações, como na igreja, por exemplo, onde o solo é de madeira e eles utilizam esse recurso para participarem ativamente.

O programa ainda não oferece músicas diversificadas, apenas algumas de domínio público. A intenção é expandir?

Sim, nossa intenção é reunir obras de todos os gêneros e abranger o máximo de experiências que possamos transmitir. A música é algo universal e queremos proporcionar para o máximo de pessoas possíveis. Para isso, será necessário nosso esforço em obter autorização de músicos, gravadoras e disponibilizar nesse novo formato, permitindo assim que as músicas sejam acessíveis por qualquer pessoa, mesmo as não ouvintes. Hoje, o aplicativo possibilita a gravação de melodias. Assim, um músico (ou não) pode preparar novo conteúdo também.

Quais serão os próximos passos?

Estamos nos preparando para lançar uma campanha de Crowdfunding (financiamento coletivo) em janeiro de 2016. Essa campanha será lançada no site Kickstarter e apoiará nossa jornada em 2016. Estaremos trabalhando com instituições focadas em surdos no Brasil, Estados Unidos e Europa, para continuar a validação do produto e do mercado, para o lançamento oficial em dezembro de 2016. Por meio do apoio do crowdfunding, nossos apoiadores terão a oportunidade de receber a pulseira antes do público geral e também participarão da nossa jornada durante o ano que vem.

Gostaria de comentar algo que não foi perguntado?

Para instituições interessadas em participar do nosso projeto, entrem em contato via contact@ludwigproject.com. Estaremos iniciando as rodadas de validação e interação com o produto no fim de janeiro de 2016.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Sabia que o kuduro pode ter sido inspirado em Van Damme?

Como será o bolachão do futuro?

‘É mais barato produzir, então se produz muito’

Conheça o novo Instagram da música, o SoundShare

No semiárido cearense, orquestra faz música com instrumentos de barro

Dia do professor: "Os benefícios da música na infância"

O cientista da vanguarda baiana

Discoteca criada por Mário de Andrade completa 80 anos


Inscreva-se no Moozyca