Pernambucano Jota Erre lança o seu segundo álbum, Binário

Artista começou sua trajetória aos 11 anos, com referência em artistas como João Bosco, Caetano e Gil

Por
TAGs: Jota Erre|
Com seu primeiro projeto autoral O segundo álbum do músico Jota Erre, "Binário", já está disponível nas plataformas digitais. O artista lançou o disco na última sexta-feira, dia 18, em apresentação no conceituado festival SXSW - South by Southwest -, em Austin (Texas).
 
O título do projeto faz referência ao ritmo produzido por nosso órgão percussivo: o coração, que é representado na sua função vital de pulsos orgânicos e também na forma simbólica, que é o amor.

“Caco” abre o disco em um jogo visceral entre a paixão e a solidão. A faixa cita “o amor que escraviza, amordaça”, enquanto “Corda Bamba”, “Condor” e “Ela” são imersas em romance. 

Em “Aqui acolá...!”, o amor aparece de maneira serena e, mesmo quando sozinho, o sentimento revela-se tranquilo: “no verso do reverso, sem pressa de voltar”. A esfera coletiva do amor está em “Eu sei” e em “Mais amor”. Assinada por Jessé Santo, esta última canta que “a massa já se ligou, a massa quer seus direitos, a massa não quer favor/ mais amor na cabeça da massa, mais amor”.

As nuances do amor compostas em sua maioria pela parceria de Jota e Jessé Santos, ganharam sonoridade característica em seus delays, creditados a guitarra do paulistano Maurício Caruso, que contribui com sua experiência nos efeitos. E com bases nos gêneros apaixonantes como o jazz, pop e rock, o baixista português Bernardo Fesch, integra Binário.
 

A gravação de Binário foi feita em um formato parcialmente analógico para mostrar o que é possível utilizar menos efeitos tecnológicos. "Após a industrialização do mundo, todas as áreas perderam sua artesania na produção dos bens, inclusive no meio musical. Binário resgata a preciosidade desta artesania", afirma o artista.

O artista começou sua trajetória aos 11 anos, envolvido por familiares profissionais da música, e referencia em grandes artistas brasileiros como João Bosco, Caetano Veloso, Gilberto Gil.  Em 2002 radicou-se em São Paulo e iniciou uma série de encontros e parcerias musicais bem-sucedidas com músicos estabelecidos dentro da cena musical independente de São Paulo como Jessé Santo, Junior Gaz e Davi Gomes.
 
Nos últimos anos realizou participação em gravações e shows de artistas como Jair Oliveira, Jair Rodrigues, Luciana Mello, Pedro Mariano, Carlinhos Antunes. Fundou a banda Patuá Tronxo e integrou por anos a Orquestra Mundana.
 
Faixas:
1. Caco
2. Corda Bamba
3. In
4. Condor
5. Ela 
6. Eu Sei
7. Fita
8. Fica Sussa
9. Aqui Acolá
10. Mais Amor

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Com 81 anos, João Donato lança álbum de inéditas após 15 anos

Trompetista Guizado lança "O Voo do Dragão"

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

A morte do tom: de Schoenberg a David Bowie

Já é! Novo disco do Arnaldo Antunes tá zyca demais e dá pra ouvir de graça

50 anos do incrível "Coisas", o mais belo álbum do maestro Moacir Santos

10 álbuns com 10 anos que ainda aparecem no shuffle do meu celular

"A paz, como a música, é uma necessidade universal”


Inscreva-se no Moozyca