Ornithology: obra prima de Charlie Parker completa 70 anos

Bird gravou um dos standards mais conhecidos de jazz em momento de crise pessoal

Por

Um dos maiores clássicos de Charlie Parker está completando 70 anos. A obra é "Ornithology", um dos standards de jazz mais tocados mundo afora. A música foi gravada em Hollywood, em março de 1946. A composição é bem empolgante e cíclica, girando em torno de frases repetidas por instrumentos solistas variados, como o saxofone, o piano e a guitarra.

“A música é sua própria experiência, seus próprios pensamentos, sua sabedoria. Se você não vive, ela não vai sair do instrumento” - Charlie Parker

Mas nem tudo são flores. Na época em que Bird (como ficou conhecido Charlie Parker) gravou "Ornithology", ele foi preso e teve de passar seis meses em um hospital psiquiátrico estadual. O saxofonista ficou conhecido, além da sua virtuose no instrumento, por ser bastante intenso no modo de viver, envolvendo-se com drogas, que ajudava a agravar os seus quadros tempestuosos.

Porém, para a história da música, o primeiro trimestre de 1946 foi mágico: marcou um modus operandi para instrumentistas e deu aos ouvintes um som que enche os ouvidos de atitude criativa. A harmonia, segundo pesquisadores, foi baseada nos acordes e em parte da melodia do clássico de Ella Fitzgerald, “How High The Moon”, que você pode ouvir abaixo:

O curioso é que o termo ornitologia é usado na biologia como a ciência que estuda as aves e como elas se comportam em ambientes diversos, de acordo com a geografia, meio, etc. Será que seria a forma do grande Bird  propor um estudo sobre a sua própria espécie e o seu modo de viver?

Fica difícil entrar numa viagem desse tipo, ainda mais depois de tanto tempo sem tê-lo entre nós. Até porque a música de Parker era algo fechado, hermético, contido numa dimensão complexa do seu “eu”. Ele mesmo disse: “a música é sua própria experiência, seus próprios pensamentos, sua sabedoria. Se você não vive, ela não vai sair do instrumento”.

“Ornithology” é resultado de um experimento com um dos mais frutíferos estilos do jazz, o bebop. É verdade que depois dele houve muitos outros estilos de jazz. Mas ele, o bebop, foi um dos grandes modeladores da música norte-america, influenciando gerações de instrumentistas até hoje.

Charlie Parker é conhecido por sua grande capacidade de improvisação, inserindo frases longas e criativamente fragmentas do ponto de vista rítmico e melódico. Isso o tornou um músico genial, que não reproduzia apenas um grande número de notas limpas com destreza. Ele fez com que cada nota fizesse sentido num contexto maior.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Por que nos EUA não tem batucada?

Morre Ornette Coleman, o Einstein do jazz norte-americano

A morte do tom: de Schoenberg a David Bowie

Veja 6 atrações do Bourbon Street Fest para já ir aquecendo os motores

Conheça álbum brasileiro que teria sido precursor do afrobeat

Americano posta mais de 1000 horas de gênios do Jazz ao vivo para download

Só a vaia consagra

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?


Inscreva-se no Moozyca