“Minha música é negra, feminina e periférica”

Jader Oliveira falou com o Moozyca durante o lançamento do “Lado C”

O artista fez o show descalço sob imagens de grandes personalidades negras como Tia Ciata, Luís Gama e José do Patrocínio

Noite fria na Freguesia do Ó, bairro que fica periferia da zona norte de São Paulo. Apesar da temperatura gélida, o clima está quente. As pessoas ouvem com atenção e em silêncio as poesias e a música do rapper Jader Oliveira, que apresentava pela primeira vez ao vivo seu EP “Lado C”.

Vamos imortalizar essas referências e homenagear ícones da cultura negra brasileira

Com uma performance profunda, intensa e dramática, Jader Oliveira cativou os presentes que o aplaudiam calorosamente ao fim de cada música. Para representar suas raízes e sua ancestralidade, o artista fez o show descalço sob imagens de grandes ícones da cultura negra como Tia Ciata, Luís Gama e José do Patrocínio. A apresentação tem diversas poesias faladas e leva os espectadores a uma espécie de transe. “A ideia é percorrer os sarais da periferia de São Paulo com esse show”, disse o rapper ao Moozyca.

O “Lado C” é um EP autoral, com três faixas. O trampo foi coproduzido pelo Mano Réu e o primeiro single, "Alvorada", já está disponível no Soundcloud. “Meu trabalho tem uma grande influência de literatura negra, feminina e periférica. O álbum surgiu da minha imersão nesses temas. Quando conheci Carolina Maria de Jesus, Estamira, Benedita, entre outras, comecei a ter várias ideias, que coloquei neste disco. Vamos imortalizar essas referências e homenagear ícones da cultura negra brasileira”, afirma Jader.

O show de lançamento ocorreu em mais uma rodada do projeto “Café com Bolacha”, que reúne colecionadores de disco para mostrar raridades e contar detalhes sobre a história dos seus álbuns favoritos. No fim do evento, rola música ao vivo.

A próxima rodada do projeto acontece sexta-feira, 28 de agosto, das 19h às 22h. Cara, vale muito a pena conferir. O Instituto Samba Autêntico, que sedia o encontro, fica na Rua Icatuaçu, número 157, no bairro da Freguesia Ó - próximo ao cruzamento entre a Av. João Paulo I e a Av. Itaberaba. A entrada é gratuita.

Se interessou pelo trampo do Jader? Pra comprar o EP entre em contato com timbresproducoes@gmail.com

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Café, bolachas, vinis e resgate da ancestralidade negra na periferia de SP

"Quero despertar a curiosidade da molecadinha e tirar eles do funk ostentação"

No Dia da Mulher Negra e Latina, celebre com música!

35 anos sem Vinicius de Moraes

“O hip hop é uma religião”, diz Zibordi, jornalista e pesquisador

“Quero a música do oprimido”, afirma DJ Mukambo de Bruxelas

Cantora alemã Dota fala sobre sua relação com a música brasileira e o Nordeste

Cantoras africanas que quebram paradigmas


Inscreva-se no Moozyca