Café, bolachas, vinis e resgate da ancestralidade negra na periferia de SP

O Moozyca foi ao Instituto Samba Autêntico conhecer melhor o projeto "Café com Bolachas"

No Instituto Samba Autêntico você pode acompanhar rodas de jongo, samba e capoeira, entre outras atividades.

Nesta sexta-feira, 28 de agosto, o Moozyca foi no Instituto Samba Autêntico conhecer o projeto "Café com Bolachas" que, desde maio deste ano, promove encontros com colecionadores de disco e amantes da cultura vinil para ouvir e falar sobre LPs. Também fazem parte do projeto, que acontece toda última sexta-feira do mês, duas apresentações musicais de rap, samba ou MPB. Há um mês, a gente foi lá no Instituto Samba Autêntico pra ver o lançamento do EP "Lado C", do Jader Oliveira, agora voltamos pra falar sobre o projeto "Café com Bolachas" - que vale uma pauta só dele ;)

A programação do projeto é simples: dois colecionadores de vinil escolhem três discos cada para apresentar ao público. A ideia é falar um pouco sobre a história dos álbuns, tanto do ponto de vista técnico, quanto da aventura pra arranjar cada peça, literalmente falando. "Tem cara que acha disco raro em caminhão de mudança. Então, não se pode dizer que há um lugar certo para procurar álbuns raros", diz Duh França - um dos colecionadores que tiveram espaço para mostrar suas influências no evento dessa sexta.

Depois da audição dos vinis e do bate-papo sobre música, rolaram duas apresentações musicais. Primeiro, o idealizador do evento, o rapper e agente cultural Mano Réu, se apresentou com a banda Funk-se - mostrando seu som guiado pelo rap e com influências de funk, samba e música negra em geral.

Na mesma noite, pra fechar a quarta edição do projeto que vai até a última sexta-feira de novembro, a talentosíssima cantora Indy Naíse, ao lado do violonista e também compositor Airton Júnior, mostrou seu repertório de canções próprias, com letras profundas e melodias encantadoras, para um público hipnotizado pela força da sua voz. Ouça abaixo a fantástica "Saudade", destaque do show, que levou a cantora às lágrimas.

Antes de ir embora, a gente foi bolar uma ideia com o Mano Réu sobre o projeto. Segundo ele, "espaços como o 'Instituto Samba Autêntico' e eventos como 'Terça Afro', 'Café com Bolachas' e 'Samba do Congo' vão além da música, da arte... Eles são encontros com uma ancestralidade perdida ou ainda não encontrada pelos jovens e adultos que frequentam esses espaços!". O rapper reclama da carência por espaços que valorizem a cultura periférica e defende a necessidade de encontros como o "Café com Bolachas" para fomentar a discussão sobre cultura na comunidade. "Esses encontros evidenciam a necessidade de trocas... Do surgimento de novos Griots que possam transformar suas vivências em ensinamentos", afirma.

Neste contexto, o espaço escolhido para o evento, o Instituto Samba Autêntico, não poderia ser melhor. Fundado em 1999 por um grupo de jovens sambistas, compositores e pesquisadores, o instituto tem o papel de pesquisar, cultuar e difundir a história do samba, em particular do samba paulista. O local fica na Rua Icatuaçu, 157, no bairro Freguesia do Ó, e desenvolve diversos projetos socioculturais. Lá você pode acompanhar rodas de jongo, samba e capoeira, entre outras atividades. Se eu fosse você, daria uma passada pra conhecer! É noiz, zyca!

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

“Minha música é negra, feminina e periférica”

Discoteca criada por Mário de Andrade completa 80 anos

"Abrimos ainda mais o leque para novos estilos", conta guitarrista do Iconili

O cientista da vanguarda baiana

Cantora alemã Dota fala sobre sua relação com a música brasileira e o Nordeste

Quer ouvir Cúmbia? Não vá para Colômbia!

De cachorra à poderosa: o vestuário do funk na periferia do Rio

Sabia que o kuduro pode ter sido inspirado em Van Damme?


Inscreva-se no Moozyca