Irmãos ‘Aldo, the Band’ preparam versão remix do EP “Sunday Dust”

Recém-lançado, álbum ganha beats com tempeiros inusitados

Uso de recursos analógicos, como teclado e synths, também se fez presenteAldo, the Band (dupla paulsitana de música eletrônica) começou 2015 com novidades para as pistas de dança. O EP Sunday Dust, lançado pelo selo Ganzá, e que conta com duas faixas, ganhou versão remix.

Freaking me Out” desacelerou e ficou mais houseada na versão assinada por Triple Crown - projeto formado por um trio clássico da noite carioca: Nepal, que vem com boas doses de bass; Jonas Rocha com a pegada disco e Mary Zander com os grooves que fazem a mulherada rebolar. O uso de recursos analógicos, como teclado e synths, também se fez presente.

Nepal contou que não conhecia muito o som da Aldo, The Band antes de se aventurar pela track. “Acho muito legal essa proposta de fazer um remix sem conhecer muito bem o trabalho do artista, pois você acaba não sendo influenciado”, aponta o produtor carioca.

Já o hit do verão Sunday Dust ganhou o peso das produções do Database, com batidas divertidas que conversam com a letra. Quem conhece o projeto da dupla Lucio Morais e Yuri Chix, sabe que suas produções, cheias de groove, são pra lá de inventivas e nada lineares. Os caras, apaixonados por Daft Punk, Justice, Giorgio Moroder, Disclosure e Kraftwerk, já chamaram a atenção de Fat Boy Slim, French Horn Rebellion e até do Jay-Z.

Aperte o play e confira os remixes.                                     

Escute aqui o Sunday Dust original.

Irmãos pegada louca

Um tio doidão da década de 80 que se rendeu aos excessos da época, rachas de carro, álcool e prostitutas da Rua Augusta foi a inspiração para o Aldo, projeto musical dos irmãos paulistanos Murilo Faria (DJ Mura), que comanda aprogramação, synths, backing vocals e teclados, e André Faria (Faria Mori), o cara do baixo, da guitarra e da voz​.

Ainda crianças, André e Murilo acompanhavam o tio Aldo nas epopeias de finais imprevisíveis que a noite paulistana proporcionava. Especificamente a Rua Augusta, então permeada por medo e delírio, ofertava muita matéria criativa aos doidões de plantão.

​Os anos se passaram e, após muita loucura, Aldo tornou-se evangélico, mas seus sobrinhos resolveram homenageá-lo e exorcizar todas as lembranças e experiências que viveram ao lado do tio. Vem daí todo o conceito da banda e todas as letras do disco “IS LOVE”, lançado em abril de 2013.

As referências musicais vão de Happy Mondays, Prince e Chic a LCD Soundsystem, Chemical Brothers e grooves brasileiros como Maria Fumaça e Eumir Deodato.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Europa vai ter turnê dos brasileiros da “Aldo, The Band”

Dica do Réu: Flávio Renegado - "Minha Tribo é o Mundo"

"A paz, como a música, é uma necessidade universal”

Teclas no Choro é o novo álbum do vibrafonista Ricardo Valverde

O baile jamaicano-tupiniquim da OBMJ

KoRn lança remix de Bitch Better Have My Money, da Rihanna

Dica do Réu: "Sólido", primeiro trampo do Rap Sensation, foi um marco para o rap brasileiro

Viagens lisérgicas, rituais e experimentações viram disco


Inscreva-se no Moozyca