Dica do Réu: I have got the power!

Disco que traz maior clássico do Snap! é tema da dica de hoje do Réu

Por

Sinceramente, fico imaginando essa banda nos anos 1990, logo após a queda do muro de Berlim, e do fim da guerra fria, gritando aos sete ventos para a Europa e para a América na letra de Believe The Hype

Salve, salve, zycas! Não dizem que o ano começa depois do carnaval? Pois cá estamos. Minha dica de hoje é lokaaa demais, amigos. E o mais legal: ganhei o disco da minha tia Marisete!

Já ouviu falar da banda alemã “Snap!”? Os caras misturam música eletrônica, house, rap e disco no mesmo caldeirão. E toda essa mistura está presente no álbum “World Power”, que vamos explorar um pouco mais hoje. Os vocais do grupo são liderados por Turbo B e pela maravilhosa Penny Ford – que, pra quem não sabe, já fez backing vocal para Chaka Khan, e, sozinha, merece uma resenha à parte.

Mas voltando ao “World Power”, o disco foi mixado e masterizado pela própria banda; lançado pela extinta gravadora “Ariola Discos”, que pôs no mercado diversos artistas brasileiros também, no fim de 1989, o álbum tem muito poder. A produção mistura diálogos e rimas pesadas com instrumentais bem fincados na house e em referências de funk e hip hop.

Um trecho de The Power (aquela do famoso ♫ I've got the power ♪) pra dar um gostinho:

“Eu tenho o poder
Ele vai quebrar meu coração
Ele vai quebrar meu coração dos corações”

Esse trampo do Snap! alcançou algumas boas marcas nos quadros internacionais; a crítica ficou dividida. O destaque do disco são, sem dúvida, a primeira track do lado A, The Power, e a terceira do lado B, Mary Had a Litte Boy. As tracks, assim como todo o disco, nos prendem pelos instrumentais e pelos vocais da Penny Ford (confesso que esperei ela cantar, faixa a faixa).

Sinceramente, fico imaginando essa banda nos anos 1990, logo após a queda do muro de Berlim, e do fim da guerra fria, gritando aos sete ventos para a Europa e para a América na letra de Believe The Hype

“Procurei e procurei
Onde está a justiça
Não foi possível encontrá-la
Assim, em Deus eu confio

Esta mente é forte e frutífera
Sou o que sou, preto

E é lindo, não político
(...)Com um olhar poderoso
Nunca se curvar a um homem mortal
Aqui estou no meu próprio comando”

Pesado, né? Bom chega de papo, bora curtir:

Snap! - The Power

Snap! - Mary had a Little Boy

 

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Dica do Réu: o som brasileiro de Sarah Vaughan

Dica do Réu: "Sólido", primeiro trampo do Rap Sensation, foi um marco para o rap brasileiro

Dica do Réu: Heavy, do The Stylistics, mostra o quanto o amor pode ser pesado

Dica do Réu: Gal Costa, proibidamente profana

Música de luto: Prince morre aos 57 anos, nos EUA

Dica do Réu: A Taste Of Honey e Lionel Ritchie, baby

Dica do Réu: Flávio Renegado - "Minha Tribo é o Mundo"

Dica do Réu: primeiro disco de Tracy Chapman foi uma verdadeira revolução


Inscreva-se no Moozyca