Rota alternativa: três coisas que você não viu na virada cultural

O Moozyca foi ver o que rolou fora dos grandes palcos

O Moozyca NÃO estava aqui!!!

O Moozyca fugiu da muvuca e fez uma rota alternativa, que foi de música africana a no wave, na virada cultural deste ano. Chegamos por volta das onze da noite, no sábado. Descemos na República e fugimos, de cara, do palco central da praça - já que estávamos decididos a fazer um caminho marginal. Andamos mais um pouco e nos deparamos com três marfinenses tocando percussão ao lado de uma banca de jornal. Não resistimos e paramos pra ver. Assim como as cerca de trinta pessoas que estavam ao redor deles fizeram.

Comandados por Alain Roger, recém-chegado da Costa do Marfim, o trio empolgou, destilando seus batuques e fazendo a galera, literalmente, se mexer. "As pessoas no Brasil são muito receptivas. Fui muito bem recebido por todo mundo aqui. Estou muito feliz", disse Roger, que acabou de chegar no país, ainda não fala português, e está procurando um emprego em São Paulo.

A gente gravou um vídeo com um pouco da apresentação deles, dá uma olhada:

 

Seguindo nossa anti-rota, andamos mais um pouco e paramos no Ateliê Compartilhado Casa Amarela, de onde estava saindo um som que tinha algo de Sonic Youth. E quem me conhece sabe que qualquer coisa que lembre Sonic Youth me rouba a atenção. Então, seguimos, entramos na Casa, subimos as escadarias e, dentro de uma salinha, encontramos a rapaziada do Pollux & Castor fazendo um som hipnotizante.

Ao melhor estilo no wave (não... não é new wave), o quarteto instrumental tocava para uma pequena plateia. O som da banda é recheado de belos timbres de guitarra e melodias dissonantes. Com influências de post-hardcore, pós-punk, progressivo e grunge, o Pollux & Castor é daquelas bandas que fazem um som tão alternativo, mas tão alternativo, que, quando você chega pro batera e diz que o som deles lembra muito Explosians in the Sky, o cara fica até emocionado e diz: "porra velho, que legal. É bom ver que alguém entende o que a gente tá fazendo". Nessa hora, juro, fiquei pensando como deve ser difícil fazer um som desses no Brasil.

Eles foram o ápice da noite zyca... um achado. Demais mesmo. Gravamos um vídeo com eles, se liga:

Ah, também tem a playlist na Rádio Zyca do Pollux e Castor. Confira aqui.

Pra fechar a noite com chave de ouro, fomos assistir a apresentação do Coral Luther King, na capela do Cemitério da Consolação. O canto sombrio e angelical do coro não poderia ser mais propício. A música que vocês vão ouvir no vídeo abaixo, Dry Bones, também não poderia ser mais sugestiva, se tratando de uma apresentação em um cemitério. E pior (ou melhor) ainda: na capela de um cemintério (O.O).

Após sairmos do cemitério, na volta para o metrô, ouvimos de longe um palco tocando a infernal "Ooo, ooo oooo, ooooo, oooooo.... ALEGRIA, ALEGRIA!!!"... Corremos, despistamos aquele horror em forma de música e retornamos para casa sãos e salvos.

Este foi um breve resumo do role zyca na Virada Cultural 2015, amiguinhos. A rota marginal vale a pena, pode acreditar.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também
Psicodelia e pop melancólico dão tom ao show de Lee Ranaldo and The Dust em SP

Psicodelia e pop melancólico dão tom ao show de Lee Ranaldo and The Dust em SP

"Experimental Jet Set, Trash and No Star", o resgate do Sonic Youth

"Experimental Jet Set, Trash and No Star", o resgate do Sonic Youth

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

Projeto leva atrações do Theatro Municipal a terminais de ônibus, igrejas e CEUs

Projeto leva atrações do Theatro Municipal a terminais de ônibus, igrejas e CEUs

7 músicas que mostram pq o punk é o ritmo mais influente da história do rock

7 músicas que mostram pq o punk é o ritmo mais influente da história do rock

Criador da música por biocomputador revela obra exclusiva ao Moozyca

Criador da música por biocomputador revela obra exclusiva ao Moozyca

"Fazer arte exige mais do que bater cartão", afirma regente

"Fazer arte exige mais do que bater cartão", afirma regente

Sabia que o kuduro pode ter sido inspirado em Van Damme?

Sabia que o kuduro pode ter sido inspirado em Van Damme?

Lee Ranaldo, ex-Sonic Youth, é atração do Mês da Cultura Independente

Lee Ranaldo, ex-Sonic Youth, é atração do Mês da Cultura Independente

Falta mulher no rock’n’roll (menos no baixo)

Falta mulher no rock’n’roll (menos no baixo)

Indicados para Melhor Canção Original no Oscar 2016 vão do pop à ópera

Indicados para Melhor Canção Original no Oscar 2016 vão do pop à ópera

Virada Virtual serve de esquenta para a Virada Cultural paulistana

Virada Virtual serve de esquenta para a Virada Cultural paulistana

Inscreva-se no Moozyca

Banner Moozyca