Dica do Réu: I have got the power!

Disco que traz maior clássico do Snap! é tema da dica de hoje do Réu

Por

Sinceramente, fico imaginando essa banda nos anos 1990, logo após a queda do muro de Berlim, e do fim da guerra fria, gritando aos sete ventos para a Europa e para a América na letra de Believe The Hype

Salve, salve, zycas! Não dizem que o ano começa depois do carnaval? Pois cá estamos. Minha dica de hoje é lokaaa demais, amigos. E o mais legal: ganhei o disco da minha tia Marisete!

Já ouviu falar da banda alemã “Snap!”? Os caras misturam música eletrônica, house, rap e disco no mesmo caldeirão. E toda essa mistura está presente no álbum “World Power”, que vamos explorar um pouco mais hoje. Os vocais do grupo são liderados por Turbo B e pela maravilhosa Penny Ford – que, pra quem não sabe, já fez backing vocal para Chaka Khan, e, sozinha, merece uma resenha à parte.

Mas voltando ao “World Power”, o disco foi mixado e masterizado pela própria banda; lançado pela extinta gravadora “Ariola Discos”, que pôs no mercado diversos artistas brasileiros também, no fim de 1989, o álbum tem muito poder. A produção mistura diálogos e rimas pesadas com instrumentais bem fincados na house e em referências de funk e hip hop.

Um trecho de The Power (aquela do famoso ♫ I've got the power ♪) pra dar um gostinho:

“Eu tenho o poder
Ele vai quebrar meu coração
Ele vai quebrar meu coração dos corações”

Esse trampo do Snap! alcançou algumas boas marcas nos quadros internacionais; a crítica ficou dividida. O destaque do disco são, sem dúvida, a primeira track do lado A, The Power, e a terceira do lado B, Mary Had a Litte Boy. As tracks, assim como todo o disco, nos prendem pelos instrumentais e pelos vocais da Penny Ford (confesso que esperei ela cantar, faixa a faixa).

Sinceramente, fico imaginando essa banda nos anos 1990, logo após a queda do muro de Berlim, e do fim da guerra fria, gritando aos sete ventos para a Europa e para a América na letra de Believe The Hype

“Procurei e procurei
Onde está a justiça
Não foi possível encontrá-la
Assim, em Deus eu confio

Esta mente é forte e frutífera
Sou o que sou, preto

E é lindo, não político
(...)Com um olhar poderoso
Nunca se curvar a um homem mortal
Aqui estou no meu próprio comando”

Pesado, né? Bom chega de papo, bora curtir:

Snap! - The Power

Snap! - Mary had a Little Boy

 

Inscreva-se no Moozyca

Leia também
“O hip hop é uma religião”, diz Zibordi, jornalista e pesquisador

“O hip hop é uma religião”, diz Zibordi, jornalista e pesquisador

Emicida faz show gratuito neste sábado em encontro de Hip Hop em SP

Emicida faz show gratuito neste sábado em encontro de Hip Hop em SP

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

"Quero despertar a curiosidade da molecadinha e tirar eles do funk ostentação"

"Quero despertar a curiosidade da molecadinha e tirar eles do funk ostentação"

“Quero a música do oprimido”, afirma DJ Mukambo de Bruxelas

“Quero a música do oprimido”, afirma DJ Mukambo de Bruxelas

Dica do Réu: "Sólido", primeiro trampo do Rap Sensation, foi um marco para o rap brasileiro

Dica do Réu: "Sólido", primeiro trampo do Rap Sensation, foi um marco para o rap brasileiro

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

Sub-raça é a p… que pariu!

Sub-raça é a p… que pariu!

Alemães do Raggabund trazem seu som multicultural para a América do Sul

Alemães do Raggabund trazem seu som multicultural para a América do Sul

Por que nos EUA não tem batucada?

Por que nos EUA não tem batucada?

“Lagartixa e smurf são as únicas danças de rua genuinamente paulistanas”

“Lagartixa e smurf são as únicas danças de rua genuinamente paulistanas”

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

Inscreva-se no Moozyca

Banner Moozyca