Como a música fala sobre a epidemia de ebola?

Músicos de todos os continentes falam sobre a doença. Saiba como.

Por
TAGs:Rap|Africa|Ebola|U2|

Reunião de músicos para gravação de “Do They Know It's Christmas?”A música não é apenas um objeto de diversão. Muitas vezes, ela é uma ferramenta de luta e transformação social. A música vem acompanhando a história do ser humano em todas as suas conquistas, contestações e crises. Mas, algumas vezes, a música cai na arena da mesmice, da fraqueza de ideias, da “bundamolice” – ela pode servir como instrumento de reafirmação de estigmas e banalização de problemas sociais.

No caso do ebola, doença agressiva para a África Ocidental, a música desempenhou papeis diferenciados, como você verá mais abaixo. A epidemia de ebola já causou mais de onze mil mortes em diversos países. Os mais afetados são: República Democrática do Congo, Serra Leoa, Libéria, Guiné e Mali. A enorme proporção da epidemia impulsionou pessoas do mundo todo (inclusive do Brasil) a fazerem composições sobre a doença, alertando, ou apenas brincando com o assunto.

A seguir, o Moozyca selecionou quatro músicas sobre o tema. Sente o drama:

Uma falta de noção?

A composição do Band Aid, entitulada “Do They Know It's Christmas?” (Será que eles sabem que é Natal?) teve como proposta reverter fundos para ajudar as pessoas infectadas. A canção do britânico Bob Geldof contou com cerca de 30 astros da música mundial, como Bono Vox (U2), Christ Martin (Coldplay), One Direction, Elbow, Clean Bandit, Rita Ora, Ed Sheeran, Ellie Goulding e Paloma Fait. A cantora britânica Adele recusou o convite para participar da trupe.

Com tamanha produção, a música tornou-se rapidamente uma febre e ocupou o primeiro lugar nas paradas de sucesso na Inglaterra. "Do They Know It's Christmas?" é originalmente uma música natalina composta por Bob Geldof para contribuir com a causa da fome na África nos anos 1980. A nova versão, porém, ganhou alguns ajustes para fazer menção ao Ebola. Mas será que faltou noção na letra de Geldof?

O trecho da canção original "Where nothing ever grows, No rain nor rivers flow" ("onde nada cresce e nenhum rio ou chuva correm"), que fazia menção à fome, agora torna-se "where to confort is to fear. Where to touch is to be scared" (Onde confortar é ter medo. Onde tocar é ficar assustado"). A canção atual fala em: No peace or joy this Christmas in West Africa, A song of hope where there's no hope tonight (Sem paz ou alegria este natal no Oeste da África, Uma canção de esperança onde não há nenhuma hoje).

A canção foi acusada por críticos por conta de algumas passagens, como “em um mundo de pavor e medo / Onde um beijo de amor pode matar você". Além de trabalhar sob a fórmula do medo, a canção é carregada de eurocentrismo, com a figura forte do cristinianismo como doutrina salvadora: “Cure o mundo / Deixe-os saber que é tempo de natal de novo”, diz a canção. Outra gafe: a música é cantada em inglês, língua pouco falada no Oeste da África. E a sonoridade... Bom, deixa para lá.

Uma alternativa

Como contraponto à canção britânica, alguns dos principais músicos da África lançaram uma música alternativa, chamada “Africa Stop Ebola”. A canção, cantada em francês e em línguas e dialetos locais, como o maninka, susu e o lingala, utiliza uma mistura de rap, reggae e batidas africanas. O objetivo da música é alertar a população da África Ocidental a tomar medidas de cautela frente à doença.

A ideia foi do marfinense Tiken Jah Fakoly, um músico de renome no continente, que mobilizou outros artistas para aumentar a conscientização sobre o ebola. Segundo ele, as cenas fortes de pessoas agonizando com a doença na televisão o trouxe para para a luta contra a epidemia. A gravação contou com os malianos Salif Keita e Oumou Sangare, o guineense Mory Kante, a congolesa Barbara Kanam e o rapper senegalês Didier Awadi, entre outros.

"Eu louvo a iniciativa de Bob Geldof e ele levantou um monte de dinheiro, mas temos que tentar evitar a estigmatização da África como um continente que precisa de piedade", disse Tiken Jah Fakoly, sobre a canção criada pelos inglês.

Uma palha assada

O cantor Demétrius Sena postou no YouTube um clipe com uma música de axé, brincando com o surto na áfrica. "Ebola, ebola, tentando me matar/ Ebola, ebola, vai te contaminar", canta o baiano. O vídeo já tem mais de 150 mil visualizações. Veja a seguir.

Apesar dos milhares de views, o cantor não se safou da porrada de críticas nas redes sociais. Por mais que a letra não faça nenhum sentido e a sonoridade seja muito fraca, o que mais espanta é o título da música: Ebola - Demétrius Sena - Hit do verão 2015. Ops, Hit do verão, Demétrius?

Uma bizarrice

Você já ouviu falar no Rucka Rucka Ali? Melhor que não tenha. O rapper americano, apresentador de rádio, cantor e “comediante”, também é conhecido por suas paródias de músicas no YouTube. Ele tem sido rotulado como um dos artistas mais bem sucedidos no YouTube, onde ele recebeu mais de 100 milhões de acessos com paródias como "Ching Chang Chong", "Ima coreano" e "Castor de Justin". A paródia a seguir, com base na música “L.A Love” da Fergie, segue a linha do humor babaca e tem quase quatro milhões de visualizações. No comments!

Inscreva-se no Moozyca

Leia também
Conheça a magia do Hang, um dos instrumentos mais novos do mundo

Conheça a magia do Hang, um dos instrumentos mais novos do mundo

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

Diásporas musicais africanas no Brasil

Diásporas musicais africanas no Brasil

Os Tincoãs: música brasileira de volta à África

Os Tincoãs: música brasileira de volta à África

Enquanto isso, no extremo norte de São Paulo

Enquanto isso, no extremo norte de São Paulo

“O hip hop é uma religião”, diz Zibordi, jornalista e pesquisador

“O hip hop é uma religião”, diz Zibordi, jornalista e pesquisador

Sub-raça é a p… que pariu!

Sub-raça é a p… que pariu!

As aftas ardem, o rap gangster alemão idem

As aftas ardem, o rap gangster alemão idem

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

Sabia que o kuduro pode ter sido inspirado em Van Damme?

Sabia que o kuduro pode ter sido inspirado em Van Damme?

45 anos de Edi Rock, a voz forte da norte

45 anos de Edi Rock, a voz forte da norte

Dica do Réu: "Sólido", primeiro trampo do Rap Sensation, foi um marco para o rap brasileiro

Dica do Réu: "Sólido", primeiro trampo do Rap Sensation, foi um marco para o rap brasileiro

Inscreva-se no Moozyca

Banner Moozyca