Banda cearense Astronauta Marinho lança álbum “Menino Sereia”

Quer ouvir um rock instrumental criativo e cheio de influências? Confira o trabalho do sexteto.

Disco marca o amadurecimento musical do conjuntoA banda Astronauta Marinho, de Fortaleza, acaba de lançar o álbum “Menino Sereia”, um prato cheio para quem curte um bom rock instrumental. O trabalho começou a ser produzido em 2014 e rendeu seus frutos recentemente, chegando às plataformas de streaming e em formato físico. 

O álbum parte das experiências cotidianas vividas pelos seis integrantes do grupo na cidade de Fortaleza. A banda trabalha com ciclos e criações de mantras, às vezes psicodélicos, às vezes minimalistas. Quem espera um disco de puro rock vai se decepcionar, pois a banda traz influências da cúmbia colombiana e do ritmo do xote nordestino. 

O disco parece marcar o amadurecimento musical do conjunto, por meio de um passeio criativo. Os trabalhos projetaram o sexteto não apenas em sua região. Os integrantes rodaram o país e tocaram em eventos renomados, como o Viradão Carioca e o festival Grito Rock.

A banda

Com Felipe Lima, Chagas Neto (teclado/sintetizadores), Daniel Lima (guitarra/sintetizadores), Rafael Viana (guitarra), Caio Cartaxo (baixo) e Guilherme Alvez (bateria) na formação, o grupo lançou dois EPs no segundo ano da trajetória: Astronauta Marinho e Fartozalê – ambos lançados de forma independente.

De Fortaleza, o Astronauta Marinho deu os primeiros passos em 2011 – como um grupo de um homem só. Felipe Lima (guitarra/samples) compôs algumas músicas no estúdio de casa, mas logo percebeu que poderia explorar mais sonoridades e ampliar a visibilidade do material adicionando o talento de alguns amigos à fórmula. Bastaram alguns encontros para os integrantes perceberem que a vontade da banda era compor e tocar músicas essencialmente instrumentais.

Partindo de suas próprias experiências cotidianas, as composições são tecidas com os resíduos das vivências de cada um dos integrantes. A influência da cidade de Fortaleza e suas cores, das suas ruas e seus sons, dos quartos de apartamento, das pequenas descobertas dominicais, dos bares baratos e dos moribundos da noite, permeiam a produção da banda e dialogam com o conjunto produzido.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também
Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

Cantora alemã Dota fala sobre sua relação com a música brasileira e o Nordeste

Cantora alemã Dota fala sobre sua relação com a música brasileira e o Nordeste

"A paz, como a música, é uma necessidade universal”

"A paz, como a música, é uma necessidade universal”

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

Fortaleza: coletânea de Rap, lançada ontem no Maloca Dragão, reúne 40 grupos

Diásporas musicais africanas no Brasil

Diásporas musicais africanas no Brasil

"Abrimos ainda mais o leque para novos estilos", conta guitarrista do Iconili

"Abrimos ainda mais o leque para novos estilos", conta guitarrista do Iconili

No semiárido cearense, orquestra faz música com instrumentos de barro

No semiárido cearense, orquestra faz música com instrumentos de barro

Coletivo de DJs do Nordeste lança documentário sobre cena eletrônica regional

Coletivo de DJs do Nordeste lança documentário sobre cena eletrônica regional

“O rap é minha arma contra o preconceito que encontrei em SP”, diz Manno G

“O rap é minha arma contra o preconceito que encontrei em SP”, diz Manno G

Bedibê lança Envelhecer, com influências do samba ao rock

Bedibê lança Envelhecer, com influências do samba ao rock

Toninho Ferragutti, Renato Borghetti e Mestrinho homenageiam o acordeão

Toninho Ferragutti, Renato Borghetti e Mestrinho homenageiam o acordeão

“Quero a música do oprimido”, afirma DJ Mukambo de Bruxelas

“Quero a música do oprimido”, afirma DJ Mukambo de Bruxelas

Inscreva-se no Moozyca

Banner Moozyca