"A Carne das Canções" botou oxigênio na cena paulistana contemporânea

Disco de Marcelo Pretto e Swami Jr. será apresentado pela primeira vez no Rio

“Nosso foco foi a cena paulistana contemporânea”

O álbum de estreia da dupla Marcelo Pretto e Swami Jr. deu uma chacoalhada na cena contemporânea de São Paulo. O disco alia técnica e refinamento harmônico com uma sonoridade peculiar para o formato voz e violão. Depois de sampa, A Carne das Canções (Borandá) será apresentado pela primeira vez no Rio de Janeiro, em 28 e 29/11, no Espaço Furnas Cultural.

A Carne das Canções tem uma proposta artística renovada, especialmente quanto a seu repertório. “Nosso foco foi a cena paulistana contemporânea”, explica Swami Jr.

No trabalho, os artistas guiam o ouvinte por um rico universo sonoro, pleno de humores e sensações. Além de compositores nativos de São Paulo – Luiz Tatit, Kiko Dinucci, Douglas Germano e Fábio Barros –, o álbum reúne nomes de fora da capital paulista mas que, de alguma maneira, estão identificados com a música que se faz ali hoje, a exemplo de Arrigo Barnabé, Rodrigo Campos, Leandro Medina, Chico Saraiva e Antonio Loureiro. “São Paulo é cosmopolita e produz uma música excelente”, diz Marcelo Pretto.

 História de amor

Após anos acalentando admiração pelo trabalho um do outro, Marcelo e Swami se aproximaram no início dos anos 2000, mas só conseguiram realizar algo juntos quando Pretto foi convidado a participar do primeiro álbum solo de Swami, Outra Praia (2007).

O dueto tomou forma para valer em janeiro de 2011, ao se apresentar no palco do SESC Ipiranga, em São Paulo. Com um repertório que relia desde Jackson do Pandeiro até antigas serestas, o show teve ainda outras apresentações, inclusive no La Paz FestiJazz, na Bolívia. Dois anos se passaram até surgir a oportunidade de um registro discográfico da parceria.

Violonista, produtor, compositor e arranjador, Swami Jr. já atuou ao lado de grandes nomes da MPB, como Maria Bethânia, Chico César, Zizi Possi, Zeca Baleiro, Elza Soares e Vanessa da Mata. Há onze anos é diretor musical da estrela cubana Omara Portuondo, cujo álbum Gracias, coproduzido por Alê Siqueira, rendeu-lhe o Grammy Latino em 2009. Tem, em sua vasta discografia, dois álbuns solo, sendo Mundos e Fundos (2011) o mais recente.

Marcelo Pretto é cantor autodidata com longa atuação nos grupos A Barca e Barbatuques, com os quais gravou discos e participou de espetáculos no Brasil e no exterior. Foi finalista do Prêmio Visa (2002) e tem um DVD solo lançado pela coleção “Toca Brasil”, do Itaú Cultural. Intérprete afeito a improvisações, virtuoso ao criar efeitos sonoros com a voz e especialista em percussão corporal, Marcelo incrementa os arranjos de A Carne das Canções com ganzá de boca, baixo vocal, respiração, percussão de bochecha e berimbau de boca.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também
“O principal elemento no meu trabalho é o ritmo”, afirma Arrigo Barnabé

“O principal elemento no meu trabalho é o ritmo”, afirma Arrigo Barnabé

No semiárido cearense, orquestra faz música com instrumentos de barro

No semiárido cearense, orquestra faz música com instrumentos de barro

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

Já sabe o que ver na Virada Cultural deste fim de semana?

No Dia da Mulher Negra e Latina, celebre com música!

No Dia da Mulher Negra e Latina, celebre com música!

Arrigo Barnabé, Siba e Metá Metá se apresentam no El Grande Concerto

Arrigo Barnabé, Siba e Metá Metá se apresentam no El Grande Concerto

Aos 78 anos, Elza Soares lança primeiro álbum de inéditas da carreira

Aos 78 anos, Elza Soares lança primeiro álbum de inéditas da carreira

A morte do tom: de Schoenberg a David Bowie

A morte do tom: de Schoenberg a David Bowie

Cantora alemã Dota fala sobre sua relação com a música brasileira e o Nordeste

Cantora alemã Dota fala sobre sua relação com a música brasileira e o Nordeste

Trigonotron lança álbum com misturas que vão do rap ao violino

Trigonotron lança álbum com misturas que vão do rap ao violino

Artistas musicam poesias de Leminski e Ferreira Goulart

Artistas musicam poesias de Leminski e Ferreira Goulart

"Artista tem que dar murro em ponta de faca até aprender"

"Artista tem que dar murro em ponta de faca até aprender"

Sábado tem Samba na Varanda na Biblioteca Mário de Andrade

Sábado tem Samba na Varanda na Biblioteca Mário de Andrade

Inscreva-se no Moozyca