Toninho Ferragutti, Renato Borghetti e Mestrinho homenageiam o acordeão

Trio de sanfoneiros se apresenta no SESC Pompeia em 30 e 31 de janeiro

Trio formado por Toninho Ferragutti, Renato Borghetti e Mestrinho

É difícil pensar a cultura e a música popular do Brasil sem a presença do acordeão. Sanfona, gaita, concertina, harmônica - os nomes dados a esse instrumento são tão diferenciados quanto a própria maneira como ele se insere na tradição musical brasileira.

Em um inusitado espetáculo especialmente preparado para a série Encontros Instrumentais, do SESC Pompeia, os músicos Renato Borghetti, Toninho Ferragutti e Mestrinho vão apresentar um panorama do acordeão no Brasil de hoje, em 30 e 31 de janeiro. O show, que tem produção artística e executiva da Borandá e teve repertório elaborado para essa ocasião, vai mostrar a intimidade desenvolvida entre o acordeão e instrumentos como violão e percussão, em ritmos como frevo, maracatu, baião, polca, rancheiras, xotes, chamamés e choros, sempre atuais e vigorosos na música popular brasileira, inclusive a instrumental.

Raízes no Brasil

O primeiro acordeão que chegou ao Brasil, pela região Sul do país, chamava-se concertina (acordeão cromático de botão, com 120 baixos), e o instrumento tornou-se popular principalmente nas regiões Sul, Centro-Oeste e Nordeste. Com o passar dos anos e o desenvolvimento de uma tradição musical propriamente brasileira, o acordeão passou a integrá-la de forma natural.

Os primeiros gêneros musicais que aqui chegaram com o acordeão - fado, valsa, polca, bugiu e caijun, entre outros - retratavam o folclore dos imigrantes portugueses, alemães, italianos, franceses e espanhóis que aqui chegaram em grande número nos primeiros anos do século 20 e se estabeleceram na região Sul. Já no Nordeste, onde o acordeão é conhecido como sanfona, o instrumento chegou com a construção da malha ferroviária pelos ingleses, também no começo do século 20 - e ali surgiu um novo ritmo: o forró, tão característico do Nordeste e que tem no acordeão um de seus principais elementos.

Os músicos

Renato Borghetti é talvez o músico que mais vem divulgando e universalizando a música do Sul do Brasil, e tornou-se um de nossos maiores sucessos da música instrumental. Músico virtuoso em sua gaita-ponto, ele mostra toda a intimidade deste instrumento com a mão direita do violão em xotes, mazurcas, vanerões, chamamés e tantos outros ritmos característicos da música gaúcha.

Toninho Ferragutti nasceu na região Sudeste e vive na capital paulista há muitos anos. Sendo o maior centro urbano da América do Sul, com mais de 20 milhões de habitantes, todo o Brasil está presente em São Paulo. O acordeão, aqui, encontra-se permanentemente incorporado por trios de forró (migrantes do Nordeste), grupos de músicas caipira e sertaneja, formações regionais de choro e de música típica italiana, sendo também largamente utilizado em festas ciganas. Pelas mãos de Ferragutti, o instrumento vem ocupando espaço cada vez maior também em salas de concerto, sendo utilizado por orquestras sinfônicas e outras formações.

Mestrinho é sergipano nascido em Itabaiana e tem a sanfona no próprio sangue. Neto do tocador de oito baixos Manezinho do Carira, e filho do sanfoneiro Erivaldo de Carira, é um dos principais herdeiros dos mestres nordestinos do acordeão, e vem sendo largamente reconhecido por seu talento em misturar forró e xote com pitadas de jazz e bossa nova.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Ricardo Herz Trio convida Toninho Ferragutti

Trigonotron lança álbum com misturas que vão do rap ao violino

Péricles Cavalcanti estreia show no Sesc Pompeia em 19 de fevereiro

“Nunca parei, eu saí de cena”, conta Di Melo

"Artista tem que dar murro em ponta de faca até aprender"

35 anos sem Vinicius de Moraes

Sesc Santana apresenta programação musical gratuita em agosto

Arrigo Barnabé, Siba e Metá Metá se apresentam no El Grande Concerto


Inscreva-se no Moozyca