Exposição Bailes do Brasil evidencia as relações entre moda, música e dança

Acervo de fotografias, músicas e vídeos está exposto no Solar Marquesa de Santos em SP

Por
TAGs: Pixinguinha|

Fotografia de Pixinguinha está entre as 200 selecionadas para a exposição (Foto: Luiz Carlos Barreto)A partir de ontem (28/6), apaixonados por moda, música e dança podem conferir no Solar Marquesa de Santos (próximo ao Pateo do Collegio) em São Paulo, a exposição Bailes do Brasil, que reúne um acervo de imagem, som e vídeo que retrata diversos momentos de celebrações coletivas do Brasil. A exposição passa por uma cronologia fluida, desde a primeira República, no final do século 19, até os dias atuais.

Os curadores Ricardo Feldman e Jum Nakao selecionaram mais de 200 fotos de profissionais nacionais e internacionais, a partir do acervo de instituições públicas e privadas, como Thomaz Farkas, Vania Toledo, Luiz Carlos Barreto, Otto Stupakoff, Maureen Bisilliat e Pierre Verger. A seleção musical produzida a partir de pesquisa sobre aspectos rítmicos brasileiros contribui para a imersão sinestésica dos visitantes. A mostra oferece também três videoinstalações com figurinos escolhidos exclusivamente por Jum Nakao para esses ambientes.

O genuíno espírito da moda de cada época pode ser percebido no registro do cotidiano, com suas forças atuantes representadas a partir de imagens selecionadas de fotógrafos estrangeiros e brasileiros, renomados e jovens, regionais e urbanos. Música, moda e dança se unem para capturar e embalar a cadência desses muitos encontros e períodos.

A curadoria da exposição reflete sobre influências e relevâncias, divididas em três atos: O Regionalismo Pulsante destaca a produção cultural de raiz e além das cidades, a partir dos sincretismos culturais regionais; a Metrópole Vibrante evidencia a forte influência europeia em nossas tradições e costumes - a clara distinção entre o erudito e o popular; e a sala Globalização Eletrizante destaca o diálogo que passa a existir entre a afirmação de nossa brasilidade, com as afirmações de distintas identidades mundiais.

Sobre os curadores

Ricardo Feldman é sócio fundador da Livre, editora e produtora de conteúdo e cultura. Dirigiu diversos projetos culturais, entre eles a exposição Flávio de Carvalho Desveste a Moda da Cabeça aos Pés realizada no MUBE - SP e MAM- RJ; os livros Sapato de Mulher, um Passeio pelo Imaginário das Brasileiras; 30 anos de Moda no Brasil; Auditório Ibirapuera, o Projeto Esquecido de Oscar Niemeyer, entre outros. É publisher da Revista s/n e conselheiro do Theatro São Pedro, Orquestra Jazz Sinfônica e Banda Sinfônica de São Paulo.

Jum Nakao é mundialmente reconhecido por seus impactantes trabalhos nas mais diversas áreas. Seu desfile, A Costura do Invisível, é considerado um dos maiores desfiles do Século pelo Museu de Moda de Paris. A apresentação do Brasil no encerramento das Olimpíadas de Londres 2012, leva sua assinatura. É referência nas mais importantes publicações sobre Moda e Design do Mundo e sua obra integra acervos Internacionais de Museus de Arte e Moda.

Serviço: Solar da Marquesa de Santos. R. Roberto Simonsen, 136. Próximo da estação Sé do metrô. Ao lado do Pátio do Colégio. Centro | tel. 3105-6118. De 28/6 a 25/8, das 9h às 17h. Grátis. 

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Discoteca criada por Mário de Andrade completa 80 anos

De cachorra à poderosa: o vestuário do funk na periferia do Rio

Big Band EMESP encerra programação de outubro do projeto Música no MCB

Os Tincoãs: música brasileira de volta à África

Moozyca foi dançar o forró da capital nacional do pé de serra

Tropical Diáspora: a difusão da música afro-americana em Berlim dos anos 90

No Dia da Mulher Negra e Latina, celebre com música!

A história da aparelhagem de som que embalou os Bailes da Saudade de Belém


Inscreva-se no Moozyca