Aché Laboratórios leva 150 crianças para o Risadaria

Parceria com a Associação Maria Flos Carmeli dá apoio educacional a crianças e adolescentes do bairro do Glicério

Crianças na entrada do Auditório IbirapueraNesta terça-feira (5/7), o Aché Laboratórios levou 150 crianças e adolescentes para assistir à “Alegria do Circo”, do Risadaria – o maior espetáculo de humor do mundo. O evento ocorreu no Auditório Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo (SP), às 15h. O grupo foi composto por alunos da Associação Maria Flos Carmeli, que, por meio de parceria com o Aché, pôde ampliar o apoio a crianças, adolescentes e famílias residentes no bairro do Glicério.

O laboratório é o maior parceiro privado da Associação Maria Flos Carmeli, que atua por meio de suporte educacional a cerca de 250 pessoas em condição de vulnerabilidade social. “O Aché tem o propósito de levar mais vida, saúde e bem-estar para as pessoas. Proporcionar acesso à cultura, artes e esporte a estes jovens – e uma boa dose de riso e alegria –, vai ao encontro da nossa missão e nos faz seguir com a convicção de que estamos no caminho certo”, afirma Paulo Nigro, presidente da companhia.

O Aché atua no bairro do Glicério desde 2009, contribuindo para a formação de crianças e adolescentes da comunidade. Há um ano, firmou a parceria com a Associação Maria Flos Carmeli, uma reconhecida instituição de origem italiana, fundada em 2004, no Brasil. Além de oferecer atividades educativas para pessoas com até 14 anos, a instituição também realiza ações de apoio a famílias e desenvolvimento comunitário.

“A parceria ajuda a promover atendimento a crianças, adolescentes e famílias em condição de vulnerabilidade e risco, desenvolvendo ações sociais e educacionais que contribuam com a inserção social e a melhoria de vida dessas pessoas. A iniciativa faz parte do compromisso do Aché de gerar e compartilhar valor com a comunidade”, avalia Nigro.

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

35 anos sem Vinicius de Moraes

“Minha música é negra, feminina e periférica”

105 anos de Adoniran: “Não tem graça o samba, é um drama”

Alemães do Raggabund trazem seu som multicultural para a América do Sul

No semiárido cearense, orquestra faz música com instrumentos de barro

Um rolê no museu virtual de instrumentos

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

“O principal elemento no meu trabalho é o ritmo”, afirma Arrigo Barnabé


Inscreva-se no Moozyca