5 DJs selecionam músicas para ouvir rezando pro Eduardo Cunha ser preso

O bicho é liso, mas muito liso mesmo. Por isso pegamos pesado na playlist

Decidimos pedir ajuda a cinco DJs (RM, Benjamin Ferreira, Mukambo, Bola e Fire) que selecionaram músicas para ouvirmos rezando para o Eduardo Cunha ser preso.

É tiro de todo lado: a OAB pedindo “afastamento imediato”, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, dizendo que ele “sempre se mostrou extremamente agressivo e dado a retaliações”, os partidos PSOL e Rede pedindo afastamento do presidente da Câmara e listando três situações que demonstrariam uso do cargo em benefício próprio para se autoproteger “em investigações e usufrutos inconstitucionais” e por aí vai. Ah, esqueci de falar sobre a famigerada conta no banco suíço, que ele disse que não tinha, mas tinha... Enfim, melhor parar de detalhar senão vira textão.

O resumo da ópera, meus caros, é que o sujeito não é afastado da presidência da Câmara nem, muito menos, preso de jeito nenhum. Nem que a vaca tussa. E ó, motivos não faltam.

Então, amigos, decidimos pedir ajuda a cinco DJs (RM, Benjamin Ferreira, Mukambo, Bola e Fire) que selecionaram músicas para ouvirmos rezando para o Eduardo Cunha ser preso.

Se liga:

DJ RM – São Paulo (SP)

Música: Política
Artista: Athaliba e a Firma
O porquê: “a letra foi feita nos anos 90 e serve pra o que vivemos hoje”.

DJ Mukambo (Benjamin Tollet) – Bruxelas - Bélgica

Música: Coffin for Head of State, Part 2
Artista: Fela Kuti
O porquê: “esse é um tema em que Fela critica as religiões – ele teria criticado os evangélicos no Brasil. Aqui ele fala da corrupção no país, que também é super atual no Brasil. Na verdade, ele está andando no interior do país (I waka waka waka = I walk walk walk), vendo a corrupção dos valores culturais tradicionais. Isso podaria ser hoje em dia no interior do Brasil com a igreja, os políticos, as empresas, todos corruptos”.

 

DJ Benjamin Ferreira‏ - Belém do Pará

Música: What Can I Do For You
Artista: Labelle
O porquê: “escolhi essa música do Labelle especialmente pelos dois primeiros versos (people want truth or nothing at all / people want sincerity and nothing false). E pelo o que ela representa no momento em que foi lançada, em 1974, na luta social nos EUA pelos direitos civis dos negros, em que a soul music teve papel fundamental”.


DJ Bola - São Paulo (SP)

Música: Negros
Artista: Código Fatal
O porquê: "como diz a música: 'alta sociedade não é coerente tratam os pobres como se fossem diferentes'".


DJ Fire – São Paulo (SP)

Música: Colarinho Branco
Artista: Duck Jam e Nação Hip Hop
O porquê: "Essa música é de 1992 e não mudou nada até hoje... Simplesmente isso!"


 

Inscreva-se no Moozyca

Leia também

Erivan contou ao Moozyca como o Rap o levou do Castelo Encantado à Finlândia

20 músicas para comemorar o afastamento do Eduardo Cunha

Após denúncias de execução, Governo de SP troca comando da Rota

"Artista tem que dar murro em ponta de faca até aprender"

Rota alternativa: três coisas que você não viu na virada cultural

‘É mais barato produzir, então se produz muito’

De cachorra à poderosa: o vestuário do funk na periferia do Rio

Criador da música por biocomputador revela obra exclusiva ao Moozyca


Inscreva-se no Moozyca